União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

O CANTINHO DE ANDRÉ LUIZ, pela Escritora - isabelscoqui@yahoo.com.br

UMA PRECE REFRATADA

 

Evelina era uma adolescente que, apesar da pouca idade, vinha sustentando imensa luta moral. Sua mãe desencarnara há algum tempo e seu pai casara novamente com Zulmira. Tudo parecia bem até que Júlio, seu irmão de oito anos, desencarnou afogado. Após a morte do garoto, sua madrasta caiu em profundo abatimento. Não fora a responsável direta pelo acontecido, mas por desejar e, de algum modo, facilitar o ocorrido, tombou em grave crise consciencial. A mãe de Júlio, que ainda não se conformara por ser substituída, aproveitou-se da abertura dada pelo sentimento de culpa da rival, e estabeleceu um grave processo obsessivo. A jovem, em tal circunstância, achava-se desorientada, entre o genitor aflito e a segunda mãe em desespero.No quarto, Evelina conversava com o retrato da mãe falecida.

Pedia-lhe socorro com insistência e rogava que os auxiliasse naquele momento tão doloroso. Mas, sua mãe não podia captar os apelos da jovem.  No quarto contíguo, ela se ocupava em obsidiar Zulmira, envolvendo-a em fios cinzentos que, como tentáculos, controlavam-lhe os centros de força. Portanto, não apresentava a mínima condição para atender aos rogos da filha. Ainda que a prece não tivesse atingido o alvo, a rogativa fora registrada. Evelina tinha méritos acumulados em encarnações anteriores e reencarnara com a missão de dar apoio à família. Naquele momento, o Ministro Clarêncio ministrava uma palestra sobre a prece em Nosso Lar, quando uma jovem dirigiu-se a ele, informando que uma pupila reencarnada pedia socorro.

A jovem entregou-lhe um pequeno gráfico e, depois de examiná-lo o Ministro  informou  que se tratava de uma oração comovedora que superara as linhas vibratórias do plano da matéria densa, chegando até ali. Tratava-se de uma prece refratada, cujo impulso luminoso teve a sua direção desviada, uma vez que a pessoa, a quem fora dirigida, não estava em condições para atender. No entanto, a prece, qualquer que seja ela, é ação provocando reação correspondente. Em nome de Deus, as criaturas, tanto quanto possível, atendem às criaturas. Por isso, seria atendida pessoalmente pelo Ministro Clarêncio, que se faria acompanhar por André Luiz, Hilário Silva e Eulália.

Iniciava-se ali uma assistência que, com o tempo,  começou a alargar-se. Nove pessoas estavam envolvidas num intrincado  conflito. Movidas por  paixões desvairadas, chegaram ao cúmulo da traição, do homicídio e suicídio, provocando ódio e desejo de vingança. Esses fatos contundentes ocorreram em encarnações remotas, desde o tempo da Guerra do Paraguai.  Essas pessoas deram causa, no passado, recebendo os efeitos indesejados no presente.  Depois de muito trabalho, a tempestade de sentimentos, no grupo de almas sob a observação da equipe de Clarêncio, amainou-se.    Pelo esforço admirável, conseguiram reajustar-se. Dispunham agora de alguns anos de paz relativa, nos quais deveriam semear a boa semente no campo do destino. Com bons resultados, finalizava-se a tarefa assistencial da equipe de Clarêncio. Tudo em função do atendimento de uma prece refratada.

Texto baseado no livro Entre a Terra e o Céu, de André Luiz, psicografia de Chico Xavier.