União das Sociedades Espíritas
Intermunicipal de Piracicaba

Pesquisa por Casas Espíritas Afiliadas

O CAMINHO DA FELICIDADE

 

 

 

 

Mário Coelho
Rio de Janeiro
14/02/1999

Perguntas/Respostas:

<[Moderador]> Quais seriam as vicissitudes da existência corporal que consta na pergunta 132 L.E?

<Mario_Coelho> Todas as lutas que a própria existência corporal impõe ao Espírito encarnado, interagindo com outros encarnados e o próprio mundo cumpre-se o papel que lhe cabe no progresso em geral, que a própria lei de Deus impõe ao Homem.

 

<[Moderador]> Qual a relação entre Liberdade e Felicidade?

<Mario_Coelho> Na questão 825 de "O Livro dos Espíritos", diz-nos os espíritos: "Não, porque todos precisais uns dos outros, assim os pequenos como os grandes." Precisamos uns dos outros, nós interagimos uns com os outros. E assim, executamos a parte que nos toca na criação cumprindo o objetivo principal que é proporcionar o progresso alheio, e, fazendo isso, seremos mais felizes. Teremos a felicidade ao nosso lado.

 

<[Moderador]> O que é Felicidade? É um conceito relativo ou absoluto?

<Mario_Coelho> Na questão 922 temos: "Com relação à vida material, é a posse do necessário. Com relação à vida moral, a consciência tranquila e a fé no futuro."

 

 

 

<[Moderador]> Sabe-se que no princípio o Homem buscava a sua satisfação nas coisas materiais, em suas necessidades imediatas, como que ainda carregando cargas instintivas pesadas. Com o advento da intelectualidade, vai se desligando das coisas físicas e prendendo-se às morais. O caminho da felicidade então,  poder-se-ia dizer, leva sempre à desmaterialização das necessidades do Espírito ou a matéria é-lhe sempre necessária?

<Mario_Coelho> Em "O Livro dos Espíritos" diz-nos os espíritos que o progresso intelectual engendra o progresso moral, ou seja, fará com que o Homem seja estimulado ao progresso moral. Hoje, entendemos muito mais como espírito do que há 4.000 mil anos atrás. São maneiras de acordar em nós a consciência da Lei de Deus que muitas das vezes fazemos dormitar em nosso íntimo.

 

<[Moderador]> Como podemos encarar a extinção de costumes sociais bárbaros em termos de caminhar à felicidade (ex: sacrifícios de animais)?

<Mario_Coelho> Diz-nos "O Livro dos Espíritos", questão 742, "Que é o que impele o homem à guerra?" Resposta: "Predominância da natureza animal sobre a natureza espiritual e trasbordamento das paixões. No estado de barbaria, os povos um só direito conhecem - o do mais forte. Por isso é que, para tais povos, o de guerra é um estado normal. A medida que o homem progride, menos frequente se torna a guerra, porque ele lhe evita as causas, fazendo-a com humanidade, quando a sente necessária." Da mesma maneira que o progresso torna menos frequente a guerra, terminará também de vencer toda a nossa predominância da natureza material sobre a espiritual, e assim não seremos mais impelidos á sacrifícios de animais, conforme perguntastes, da mesma maneira que já vencemos o sacrifício humano, tão comum na época de barbárie.

 

 

<[Moderador]> O domínio da Ciência pelos homens ao longo dos séculos, em especial nos últimos tempos, traz a ele necessariamente uma evolução para a felicidade?

<Mario_Coelho> Traz a melhoria para o mundo material, que pode facilitar o entendimento. Mas, no campo moral, conforme já relatamos,  somente a consciência tranquila e a fé no futuro nos dará a felicidade sonhada.

 

<[Moderador]> O que pensar das pessoas que, mesmo encrustradas no mal, afirmam estarem "felizes"?

<Mario_Coelho> É a felicidade dos brutos e não a felicidade real.

 

<[Moderador]> É possível a uma pessoa guiar outra em direção à felicidade?

<Mario_Coelho> Sim, quando lhe dá meios de entendimento para encontrar o papel que lhe cabe na criação.

 

 

<[Moderador]> A felicidade está ao alcance dos habitantes do nosso planeta (provas e expiações)?

<Mario_Coelho> Vamos buscar em "O Livro dos Espíritos" a questão 920: "Pode o homem gozar de completa felicidade na Terra?" Não, por isso que a vida lhe foi dada como prova ou expiação.  Dele, porém, depende a suavização de seus males e o ser tão feliz quanto possível na Terra." Questão 921: "Concebe-se que o homem será feliz na Terra, quando a Humanidade estiver tranformada. Mas, enquanto isso se não verifica, poderá conseguir uma felicidade relativa?" "O homem é quase sempre o obreiro da sua própria infelicidade.  Praticando a lei de Deus,  a muitos males se forrará e proporcionará a si mesmo felicidade tão grande quanto o comporte a sua existência grosseira." Desse modo, vemos que podemos ser felizes, porque somos artífices do nosso próprio destino.

 

<[Moderador]> Se a modernização é um bem efetivo e certo, é difícil entender o porquê de tantos malefícios advindos do seu próprio progresso.

<Mario_Coelho> Vamos buscar em "O Livro dos Espíritos" a questão 790:, "É um progresso a civilização ou, como o entendem alguns filósofos, uma decadência da Humanidade?" "Progresso incompleto. O homem não passa subitamente da infância á madureza". a) - "Será racional condenar-se a civilização?". "Condenai antes os que dela abusam e não a obra de Deus." Questão 791: "Apurar-se-á algum dia a civilização, de modo a fazer que desapareçam os males que haja produzido?" "Sim, quando o moral estiver tão desenvolvido quando a inteligência. O fruto não pode surgir antes da flor."

 

Considerações finais do palestrante:

<Mario_Coelho> Aprendemos assim, que "O Livro dos Espíritos" é uma fonte onde encontramos respostas para todas as nossas dúvidas. Possamos assim criar o hábito de manuseá-lo. Desse modo, estaremos caminhando em busca da felicidade, por entender onde ela realmente está.